Para conversar, desabafar e discutir
Quinta-feira, 12 de Novembro de 2009

Na 3.ª feira à hora do jantar, primeiro a surpresa - Robert Enke morreu - depois o choque - Robert Enke suicidou-se caminhando de encontro a um comboio. Hoje o choque mantém-se e não dá sinais de diminuir. A vida foi em muitos aspectos madrasta para Robert Enke e a sua saída do Benfica (por vontade própria), infelizmente, coincidiu com o início dos problemas.  

 

Para além do profissionalismo e simpatia que lhe eram reconhecidos por adeptos, colegas, treinadores e dirigentes eram também conhecidas as suas atitudes altruístas quer com as pessoas, quer sobretudo com os animais. A vida nem sempre lhe respondeu da melhor forma, acabando mesmo por lhe levar a filha que com apenas dois anos faleceu, vítima de uma grave insuficiência cardíaca que nunca foi resolvida.

 

Até sempre, Robert. Espero que tenhas finalmente conseguido encontrar a paz que procuravas e que claramente não tinhas.

 

"Robert Enke esteve três temporadas no Benfica e quando o seu contrato estava a chegar ao fim foi muito claro com o clube e com os adeptos que sempre o estimaram. Não quis renovar e não se quis entregar nas mãos de nenhum empresário. Considerava-se, e bem, o dono da sua vida, jogava com a carta na mão e era livre de ir para onde quisesse sem dar troco a terceiros. No final da temporada de 2001/2002, quando o árbitro apitou para o fim do último jogo que faria no Estádio da Luz, Robert Enke antes de recolher à cabina resolveu despedir-se dos adeptos do Benfica e, sozinho, deu uma volta ao estádio aplaudindo e sendo aplaudido. Foi um momento bonito e raro de um jogador que, sendo dono da sua vida, se despediu com carinho de quem tanto gostou dele. Contente ele, contentes ficaram todos. Anteontem à noite, numa passagem de nível em Eilvese, nos subúrbios de Hannover, Robert Enke, o dono da sua vida, foi-se embora de vez. Triste, tão triste ele e todos tão tristes." Leonor Pinhão in ABola, 12.11.09
 

Que este caso, tão mediático, sirva para salvar outras vidas e para que finalmente a sociedade em geral reconheça a gravidade de uma doença que não se "vê", mas que pode matar. Infelizmente é mais fácil apelidar os doentes depressivos como fracos de espírito, deixando-os à sua sorte, do que tentar encontrar uma solução/cura para a doença.

 

A situação de Robert Enke, mostra que nem quando podemos "comprar" o melhor tratamento do mundo estamos livres de atingir o limite do abismo e dar o passo em frente. Se Enke apesar de tantas condições a seu favor não conseguiu encontrar a ajuda que necessitava, quão mais difícil não será a vida de todos aqueles que não podem sequer dar-se ao luxo de ter ajuda?

publicado por vml às 12:02
sinto-me:


mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


últ. comentários
Mas depois da foto tirada já se pode abusar. Já nã...
Nao gosto de opinar sobre o que nao vi.Confio plen...
Tenho tido mais que fazer....
Já actualizavas o blog...:D
Há muitos anos atras ouvi uma frase que para sempr...
Obrigada pelas boas vindas.
Mtos parabéns! Já tou a ver que tb foste picada pe...
Faço minhas as palavras da "Mau-feitio" (desculpa ...
Obrigadinha pelas boas vindas. : )
Seja muito bem-vinda pois então.
arquivos
subscrever feeds